Ectoplasma, depressão e síndrome do pânico



Na depressão, ocorrem sintomas de humor deprimido, falta de prazer em atividades outrora prazerosas, ou mesmo no existir, alterações de sono (insônia ou sonolência) e apetite (aumentado ou diminuído), falta de energia, capacidade de concentração diminuída, indecisão, sofrimento moral e idéias de autodesvalorização e autodepreciação. É freqüente verificar que um hábito intestinal que já era lento – o “intestino preso” – passe a ser mais demorado ainda.

De modo geral, há várias classificações a respeito da depressão. Uma delas, interessante, é a que se refere à apresentação de sintomas ansiosos, na qual a pessoa pode estar inquieta, sempre preocupada com algo, parecendo temer algum perigo, podendo estar irritada e até intolerante, chegando a chorar. Outra seria a forma apática, na qual o indivíduo se apresenta letárgico, apático até, mostrando-se sem iniciativa alguma; às vezes, verte lágrimas sem motivo aparente, tem geralmente um ar fatigado, com o olhar aparentando cansaço e muitas vezes desesperança. Outra apresentação é a de

forma agitada, em que o desespero e o sofrimento moral corroem as entranhas da alma, levando a uma inquietação desesperada, quase alucinada. Nessa forma, é comum que se apresentem idéias delirantes de culpa ou de ruína existencial.

Em todas as apresentações citadas pode existir sintomatologia física de natureza muito variável. Geralmente são queixas de sensibilidade à dor aumentada. Parece que qualquer estímulo tátil pode causar dor. Quase todo o corpo apresenta sensação dolorosa. Os sintomas mais comuns são dores musculares e articulares, e a dor de cabeça é quase uma constante. A insônia também é extremamente comum. Observa-se que, de modo geral, quanto mais sintomas físicos a pessoa tem, menos sintomas psíquicos ela apresenta. O inverso também é verdadeiro: quanto mais sintomas físicos possui, menos sintomas psíquicos ocorrem. A depressão em que os sintomas físicos sobrepujam os sintomas psíquicos é chamada “depressão mascarada”.

Há, na especialidade da reumatologia, uma doença que se chama fibromialgia que apresenta os mesmos sintomas da “depressão mascarada”. Na fibromialgia há os chamados “pontos anatômicos dolorosos”, que nada mais são do que pontos que, quando pressionados, têm alta sensibilidade à dor; são pontos nos tendões dos músculos que ficam próximos às articulações. No meu entender, a fibromialgia é uma apresentação da depressão. O tratamento de ambas é feito com antidepressivos.

Não raras vezes, encontramos nas pessoas com quadro depressivo os sintomas do chamado transtorno de somatização. Observei que há essa associação, mesmo antes de publicações científicas sobre o tema, o que levanta a possibilidade de uma relação de ambas com o ectoplasma. Penso que haja um mau funcionamento hepático (seja por uma carga genética, que já deixa o fígado mais fraco, ou pelo emocional alterado que leva o fígado a também se alterar) que, somado a uma disfunção emocional do psiquismo, faz surgir o quadro doentio.

Na síndrome do pânico ocorrem crises súbitas e imprevisíveis (em sua totalidade) de palpitações, falta de ar, com ou sem sufocamento, ondas de frio ou de calor, de formigamentos pelo corpo, tontura, náuseas, sensação de desmaio, angústia ou opressão no peito. É imediatamente após as sensações físicas que se instalam na pessoa as intuições de que vai morrer, ou mesmo enlouquecer. O quadro é dramático e mobiliza a emoção. É diferente de uma crise de fobia, pois nesta última o indivíduo apresenta alguns dos sintomas acima relatados (por vezes, até todos) numa situação em que se expõe a um “objeto” causador do medo. Esse “objeto” pode ser um lugar (como um elevador) ou uma situação (como falar em público). A pessoa com fobia pode estar em pânico, mas isso é diferente de síndrome do pânico.

Tenho questionado meus pacientes e grande parte deles têm relatado sentir a onda de calor subindo de baixo (do abdome) para cima, às vezes precedida de pequeno arrepio, ou mesmo calafrio, podendo também entrecruzar-se com os outros sintomas. O arrepio e o calafrio ou friacho (onda de frio) são, a meu entender, sugestivos da aproximação de uma “presença”, enquanto a onda de calor (fogacho) é decorrente da movimentação e manipulação do ectoplasma pela mesma.

Essa manipulação do ectoplasma é o que gera todos os sintomas físicos. O medo de morrer ou enlouquecer seria decorrente de pensamentos e sentimentos provenientes do inconsciente, onde estão situações traumáticas de vida passada. A movimentação e manipulação do ectoplasma, ao causar sintomas extremamente desconfortáveis, gera, por si só, um medo intenso que entra em ressonância com o inconsciente, onde se acham as situações traumáticas de vida passada.



Ganhe 15% de desconto na compra deste livro, usando o cupom:

1910-30HE-6LE7-HOCC

(o desconto só irá aparecer no fechamento do pedido, onde existe o campo para inserir o código de desconto acima).


No tratamento pela medicina clássica, essas duas doenças – depressão e síndrome do pânico – caracterizam-se pela prescrição dos chamados antidepressivos, pois envolvem os mecanismos do neurotransmissor serotonina. Na síndrome da tensão pré-menstrual, assim como nas dores pelo corpo, entre as quais a fibromialgia, também podem ser utilizados os antidepressivos. Não seria o ectoplasma, em sua forma excessiva, análogo ao mecanismo bioquímico da serotonina? De outro modo: não estaria a maior formação de ectoplasma vinculada a uma via metabólica comum à síndrome do pânico e à depressão? Tal dúvida é de se postular, pois, como já mencionado anteriormente, a substância triptofano (um aminoácido que não é sintetizado pelo organismo) é precursora da serotonina e, curiosamente, os alimentos que mais contém triptofano (grãos de cereais integrais, legumes, folhas de vegetais verdes e derivados do leite) são aqueles que possuem, também, a vitamina nicotinamida – vitamina B3.

Desse modo, a natureza dotou determinados alimentos da capacidade de diminuir a formação do ectoplasma. A piridoxina (vitamina B6) é usada no meio médico para combater os efeitos da STPM. Seu uso se deve ao fato de ser uma co-enzima para a síntese da serotonina. Aí, novamente, está mais um indicativo de que, no mínimo, as vitaminas B3 e B6 poderiam estar envolvidas, quando em falta, no mecanismo de formação do ectoplasma.

1,138 visualizações